quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Sinta o clima natalino...

Mais um Natal vem chegando, então traga-me coisas boas, dias melhores, pois eu tenho a opção de escolher dias com muitos raios de sol, me leve para longe, me mostre novas aventuras, não importa se esse lugar secreto só haverá nós dois, há lugares que me vou e ninguém sabe, me leve para um lugar que eu possa chamar de lar, onde não haverá lagrimas pois existem borboletas. Um doce lugar, um doce sentido, um doce ano novo, eu quero conhecer um novo sentido, não terá pedras e obstáculos que atrapalharam nosso rumo, vamos seguir em frente e sem olhar para trás, todos estão do nosso lado, então não temos motivos para não irmos, vamos rolar na grama, sorrir para o céu, agradecer por tudo, contar estrelas, brincar na rede, mas vamos para um outro lugar, onde estejamos longe de tudo e de todos.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Can u feel the love tonight?

Há momentos na vida em que ninguém sabe como isso acontece, como é que surge, como você é capaz de ser forte, se levantar e ter a atitude de sorrir, mas há também os momentos magníficos e mágicos que todos nos um dia iremos passar. Talvez seja esses os melhores momentos que possa existir na vida de uma pessoa, todos os flashes, todas as lembranças, todos os beijos, simplesmente tudo volta a passar na sua mente como se fosse uma linda história de amor. Porém podemos lembrarmos dos momentos em que tivemos que ser muito forte a ponto de sair andando sozinho em busca de algo novo, em busca de esquecimento, em busca de um motivo para sorrir. Temos que ser superiores a esse momento nostalgico que dói, magoa e destroi a sua vida em questão de minutos ou quem sabe, segundos. Apenas se levante e siga o seu caminho, quando todos tentarem te derrubar, quando todos estiverem contra você, quando todos insistirem na sua derrota, quando todos fizerem da sua vida um fracasso. Repense os seus motivos, releia sua história, reviva os seus sorrisos, procure explicações a serem dadas, vem e vá, como se alguém fosse sentir a sua falta, como se fosse sua unica opção, como se fosse a sua vontade.